Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009
Rendeiras de bilros

A renda de bilros é realizada sobre uma almofada dura, o rebolo, cilindro de pano grosso, cheio com palha ou algodão, cujas dimensões dependem da dimensão da peça a realizar, coberto exteriormente por um saco de tecido mais fino.

A almofada fica sobre um suporte de madeira, ajustável, de forma a ficar à altura do trabalho da rendilheira.



publicado por 9ºB às 15:01
link do post | comentar | favorito
|

O Tanoeiro

A profissão de tanoeiro, construtor de pipas, balseiros e tonéis entre outros, está em extinção. Elevada à designação de arte está hoje limitada à reparação desses diversos recipientes e à construção de pipas com fins decorativos. A armazenação do vinho antes dos seus transportes costumava ser efectuada em cubas em cimento, hoje quase inexistentes estão a ser destruídas por muitas das casas que as possuiam e a ser substituídas por cubas em aço inoxidável. Muitos dos processos de transportar, engarrafar, rolhar e rotular as garrafas está a ser modernizado em várias empresas. Trabalhos que costumavam significar muitos empregos estão hoje completamente mecanizados ou em vias de desaparecimento.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 14:56
link do post | comentar | favorito
|

O Leiteiro

Um leiteiro é uma pessoa,  tradicionalmente homem, que entrega leite em garrafas de leite ou em caixas de papelão. A entrega de leite, frequentemente, ocorre de manhã e não é raro eles entregarem outros tipos de produtos além do leite, como: ovos, creme, queijo, refrigerante e iogurte ou manteiga. O termo "leiteiro" é usado para referir-se quanto ao homem ou mulher que exerce esta profissão.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 14:25
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009
O Onzeneiro

O Onzeneiro foi uma profissão, semelhante a um agiota, que cobrava 11% de juros a quem lhe pedisse dinheiro por empréstimo, estando neste número a derivação do seu nome.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 15:17
link do post | comentar | favorito
|

O Escriba

O escriba ou escrivão era a pessoa na Antiguidade que dominava a escrita e a usava para, a mando do regente, redigir as normas do povo daquela região ou de uma determinada religião. Também podia exercer as funções de contador, secretário, copista, arquivista e escritor.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 15:14
link do post | comentar | favorito
|

O Barbeiro-Cirurgião

Barbeiros-cirurgiões eram barbeiros que actuavam como médicos. Faziam pequenas cirurgias nos ferimentos dos camponeses e sangrias.

Na época, médicos eram raros e cobravam muito caro pelos seus serviços, então os barbeiros-cirurgiões ficaram comuns no trato de camponeses feridos.

Eram homens sem nenhum talento médico, apenas tinham a experiência de arrancar membros e dar diagnósticos simples das doenças.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 15:10
link do post | comentar | favorito
|

O Ferreiro

O ferreiro era uma pessoa que criava objectos de ferro ou aço por "forjar" o metal, ou seja, através da utilização de ferramentas como fole, bigorna, martelo, dobra e corta, e de outra forma moldá-la na sua forma não-líquida.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 15:06
link do post | comentar | favorito
|

O Amola-Tesouras

O amola-tesouras era aquele que ia de terra em terra para afiar as facas e as tesouras.



publicado por 9ºB às 15:00
link do post | comentar | favorito
|

O Ardina

Ardina é um vendedor de jornais de rua que apregoando a notícia chama a atenção do potencial cliente. Figura muito retratada por artistas e muito popular pela sua exposição pública, a sua origem perde-se nos tempos e remete-nos à "notícia" que corria de boca em boca. O ardina difere do actual distribuidor de jornais gratuitos.

Preteridos pelo aparecimento de quiosques e outras meios de distribuição, já raramente se encontram ardinas pelas ruas de Lisboa, que apregoavam a manchete do dia, e a informação fonte do seu sustento.

 


sinto-me:

publicado por 9ºB às 14:54
link do post | comentar | favorito
|

O Águadeiro

Com a inauguração do Aqueduto surgiram algumas das profissões mais típicas da cidade de Lisboa, como os famosos aguadeiros, na sua maioria, de origem galega, que, pelas ruas de Lisboa, carregavam barris de água que vendiam a quem passava. Abasteciam-se nos vários chafarizes de Lisboa, esperando a sua vez nas longas filas de espera e percorriam depois as ruas da cidade com os seus pregões.


sinto-me:

publicado por 9ºB às 14:47
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre nós
*Fazer olhinhos
*Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28


*posts recentes

* Rendeiras de bilros

* O Tanoeiro

* O Leiteiro

* O Onzeneiro

* O Escriba

* O Barbeiro-Cirurgião

* O Ferreiro

* O Amola-Tesouras

* O Ardina

* O Águadeiro

*arquivos

* Fevereiro 2009

*pesquisar
 
blogs SAPO
*subscrever feeds